top of page

A Coragem para liderar - “Resiliência à Vergonha”

Eng. Rogerio Cardoso - 13/11/21

A má noticia é que a “resiliência à vergonha”não é possível” – enquanto nos preocupamos em “criar vínculos”, o “medo da desconexão” será sempre uma “força poderosa” na nossa vida, e a “dor pela vergonha” será “sempre real”. Mas eis “uma boa notícia”: a “resiliência a vergonha” é possível “ser ensinada” e está ao “alcance de todos”.

A resiliência à vergonha é a “capacidade de praticar” a “autenticidade” quando “sentimos vergonha”, de passar pela “experiência sem sacrificar nossos valores” e de “sair da experiência da vergonha” com “mais coragem”, “compaixão” e “conexão” do que tínhamos ao “entrar nela”.


Em última análise, a “resiliência à vergonha” significa mudar de “vergonha” para “empatia” – o verdadeiro “antidoto” para a “vergonha”.


É muito importante entender que, se “compartilhamos” nossa “história” com alguém que reage com “empatia e compressão”, a “vergonha” não conseguirá “sobreviver”.


A “autocompaixão” também é muito importante, mas como a “vergonha” é um “conceito social” – “acontece” entre as “pessoas” – sua “cura” também é melhor “entre a s pessoas”.


Uma “mágoa social” precisa de “conforto social”, e a “empatia” é este “conforto”. A “autocompaixão” é fundamental porque, quando “somos capazes” de “ser gentis” com “nós mesmos” em “meio à vergonha”, é mais fácil “pedir ajuda”, “criar vínculos” e experimentar “a empatia”.


Fonte: Brené Brown

Bình luận


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Siga
  • LinkedIn Social Icon
bottom of page