top of page

Vida é Conexão - Reviver Para Sentir

“Nós estamos sós: Somos determinados e determinamos a vida de muitos”

Reviver Para Sentir


“Compreender isso” é muito importante e muito rico. Em nosso treinamento de imersão de maior impacto biopcioemocionoespiritual do Brasil (Tai), por exemplo, é feito um trabalho individual com os alunos para que “possam olhar para estas questões”. “É quando” muita gente “se depara” com “o que há” de mais “profundo em seu ser”. Em algumas vivências do curso a pessoa pode se dar conta de que, “no momento do parto”, sua mãe estava “morrendo de medo” – uma “emoção” que ali mesmo passa a “fazer parte da história do filho”. Ao acessar “este temor”, é “possível entender” “a quem ele” realmente “pertence”, o que explica por exemplo, uma “possível trava” na hora de “falar em público”. É entender “o que houve” e “deixar para trás.”

Já conheci pessoas que não tinham “nenhuma vontade de viver” porque, “na gestação”, viram o pai e a mãe “inseguros”, “pensando” se dariam “conta de um filho”, o que normalmente acontece “por questões econômicas”. Se estes pais “cogitaram aborto”, “pode ser mais difícil” ainda para “o bebê”, com a ideia de que ela “não foi desejada”. Logo o “peso da rejeição”. Mutas vezes “isto explica” a sensação de “não merecimento”, o ato de “se embriagar” e comer em “excesso”, a exposição “ao risco”, “o uso” de drogas e “uma coleção” de relacionamentos “abusivos”. De “onde veio” tudo isso? Pois é, do “útero”.


No “ato da” concepção, se a criança “sente” um amor intenso “dos pais”, percebe-se “muito mais” amada. Um “filho gerado” por uma relação casual “não necessariamente” terá problemas, pode ser feliz. De algum modo, “no futuro”, crianças com “este perfil” vão ter que encontrar “um meio de lidar” com essas questões, de “dizer sim” para uma “vida em plenitude”, sem dúvida “que merece” todo o amor.


Temos “alguma responsabilidade” sobre as atitudes de nossos pais? Absolutamente “nenhuma”, mas “cabe a nós” compreender “essas questões”, “aceitá-las” e “crescer” diante delas. “Vida é”, lembra? “Apenas é”.

Com base em “minha vivência” de trabalho e de estudos, sobre “almas que nasceram” na América Latina e “absorveram” as “maravilhas” e as “mazelas” dos “ciclos não concluídos”, dos problemas encontrados nesta parte do mundo. Temos o Brasil como país, com todas “as suas dores”. No meu caso, tenho o Rio Grande do Sul como meu estado e São Borja como cidade. Minha “alma está conectada” a tudo isso.


Somos “determinados” por todo “estes ciclos”. Uma história já sabemos, “começa” pela pré-concepção, “passa” pela concepção, “pela” gestação, “pelo” parto, “pela” infância e “segue” vida afora. Dia a dia, principalmente “na infância” e segue “vida a fora”. Dia a dia, principalmente na infância e nos primeiros movimentos após o parto, “sentimos o calor do colo da mãe”, o que continua até depois da nossa formação, sobretudo até os 7 anos, quando “termina a chamada primeira infância” e quando já temos “muitas influências” sendo exercidas “sobre nós”. Assim, nossos “comportamentos”, pelos quais somos “tão cobrados”, são apenas “reflexos” do nosso “mundo interno”, das “nossas profundezas”.


O que vemos “por fora” é “minúsculo” diante do “conteúdo gigantesco” que temos “guardado”. Nada serve “para nos eximir” da “responsabilidade” de “lidar com tudo isso”, mas para “demonstrar que” exigimos de nós mesmos “além do que é” “possível entregar”.


Diante da vida “somos insignificantes”, mas diante da “nossa própria vida” “somos poderosos”.


Autor: Marcel Scalko


rogeriopc57@gmail.com

cel/what (43) 98854 3616

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Siga
  • LinkedIn Social Icon
bottom of page