top of page

Vida é Conexão

“Nós estamos sós: Somos determinados e determinamos a vida de muitos”


Não há uma visão estrita sobre as nossas ligações com os outros. Não consigo delimitar as conexões que temos no tempo e no espaço. “Estamos ligados” a “vários sistemas”, sendo mais “fácil” olhar “para a família” e para os “nossos vínculos” com “os pais”. Depois aparece nossos “parceiros amorosos”, os “nossos filhos”, “nossos parentes”, “amigos”, “colegas de trabalho”, pessoas que moram no “mesmo prédio”, na mesma cidade, estado ou país.

Influenciamos “uns aos outros” o “tempo todo” e estamos “totalmente vinculados” em todas “as esferas” e em outras mais. Isso “começa” com gestos “mais simples”, como “não jogar lixo na rua” para sujar o ambiente público, poupando o município de mais gastos com a varrição das vias e deixando tudo mais bonito, organizado. “Digo isso” para que “você entenda” que “tem conexões” por “todos os lados”.

Vida é conexão, diz a nossa quarta Leia da Vida. A nossa vida “é ampla” e “misteriosa”, “não estamos sós”. Você não é um eu puro e simples: “é um eu” na “sua família”, na “sua empresa”, na “cidade onde mora”, no mundo e assim por diante. Uma “alma conectada a tudo” – como gosto de dizer. É realmente um mistério, mas todos nós já experimentamos essa sensação de “fazer parte do todo” de alguma forma.


Ao longo de mais de duas décadas de trabalho acompanhando muitas almas, percebi que, do minuto após o nascimento para frente, não há nada, absolutamente nada, que justifique algumas situações na vida de determinadas pessoas. É quando olhamos, por exemplo, para uma família tranquila em suas imperfeições - serena - na qual há alguém com um destino muito pesado. Pesado de maneira desproporcional quando avaliamos as circunstâncias da vida dele ou dela a partir de seu nascimento.


A partir dessa percepção, nossa abordagem tem um olhar mais amplo para a vida na Terra. Na minha opinião, “não viemos ao mundo” como “uma folha em branco”. O nosso “parto influencia” em “nossa personalidade”, assim “como a gestação” e até o “modo como fomos concebidos”. É como se estivéssemos lá, no Universo, “esperando que nossos pais” se encontrassem e fizessem “os movimentos necessários” até a nossa concepção. Se você me perguntar que lugar é esse, como funciona esse lado de lá, eu não sei dizer. Sendo sincero, não me importo com isso, não quero saber e não discuto esse assunto com ninguém. Estou aqui “para ajudar” “quem quer que seja” a lidar com “as próprias dores”, “a aceitar” e “compreender” a própria história.


Para autores como Bert Hellinger, psicoterapeuta alemão criador do método mundialmente conhecido como Constelação Familiar, “não chegamos ao útero de nossas mães” com “uma alma sem conteúdo emocionais”, “psíquicos” e “espirituais”. Não somos livres como julgamos ser por que partimos todos de uma base.


Gosto da Constelação – tenho formação na área – por se tratar de uma modalidade terapêutica que estuda os padrões de comportamentos observados de geração para geração. É um “mergulho profundo no autoconhecimento”, na história de cada um.


Autor: Marcel Scalko


rogeriopc57@gmail.com

cel/what (43) 98854 3616

Comentários


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Siga
  • LinkedIn Social Icon
bottom of page