top of page

LIDERANÇA – O maior erro é não perguntar onde você está errando

Há pouco tempo, depois de dar uma aula sobre “solução de conflitos”, um jovem me procurou durante o intervalo e anunciou:

- Vou “criar” a minha “própria” organização.

- Bom para você ”respondi”.

- Sim - prosseguiu ele -, quero “estabelecer um negócio” do “jeito certo”, de um modo que eu não tenha” de lidar com problemas”.

- Quer saber uma coisa? - comentei quando ele se preparava para sair. Você “está cometendo o erro” de achar que “nunca cometerá erros”.

A Ignorância não é uma benção

Quando alguém “é jovem” e “idealista”, pensa que pode liderar melhor” do que muita das pessoas que “lideraram outros” no passado. Sei porque isso também” aconteceu “comigo”. Quando comecei minha carreira, eu era um sujeito positivo, arrojado, otimista _ e “completamente ingênuo”.


Costumava liderava “por suposições”. Com isso queria dizer que, em “meu zelo juvenil”, geralmente “acreditava que tudo” estava “indo muito bem”. Não procurava “pelos problemas” porque achava que “não teria”. Sabe qual foi o resultado? “Fui pego de surpresa”. Quando os problemas surgiram, “eu estava desnorteado”. “Como aquilo foi acontecer?”, eu me perguntava.


Depois de ser surpreendido pela quarta ou quinta vez, desesperado, comecei a “pedir ajuda de líderes experientes”. Um deles fez a observação que mudou o meus estilo de liderança: John, o maior erro que você pode cometer é o de não perguntar quais os erros que está cometendo”.


Aquele “breve conselho” mudou o rumo de minha liderança”. Era minha introdução ao mundo realista” _ era algo que eu não estava muito acostumado. Quando “fiz uma introspecção”, descobri algumas coisas interessantes:

·         Eu dava “pouca importância” as coisas que poderiam “dar errado”.

·         Eu “supunha” que o jeito certo “de fazer as coisas” era “à prova de erros”.

·         “Não reconhecia os erros” que “cometia” em relação “a mim” e aos outros”.

·         “Não estava aprendendo nada” com esses erros.

·         “Não estava ajudando os outros” a partir das lições que “poderia aprender” com os “meus erros.”

Se “minha intenção” era mesmo de tornar um líder melhor”, “precisaria mudar”. Teria de “parar de cometer o erro” de “não querer saber” que erro “estava cometendo”.


Receita para o sucesso em meio ao fracasso

Ninguém jamais avaliou as pessoas “com mais precisão” do que aquela que “inventou o lápis” com borracha “para apagar”. Todo mundo comete erros, sejam eles grandes ou pequenos.

Quando se trata de sucesso pessoal, o que importa não é o número de vezes que se comete, mas o número de vezes que se repete o erro. "Se quer aprender como se valer dos fracassos para produzir sucesso e tirar o melhor proveito dos erros que vier a cometer, é necessário fazer cinco coisas a seguir:"


1.       Admita seus erros e suas fraquezas

Há pouco tempo, falando a uma platéia com muitos diretores-executivos numa conferência, eu “os encorajei” a tratar abertamente “de seus erros” e “suas fraquezas” com as pessoas com “quem as lideravam”. O clima no salão começou “a ficar muito tenso”, e minha impressão era de que “eles demonstravam” certa “resistência ao meu conselho”.

 

Durante o intervalo seguinte, enquanto eu autografava alguns livros, “o líder de uma empresa” pediu para “falar comigo em particular”. Quando consegui parar um pouco, nos afastamos dos demais e “ele me confidenciou”:

 

- Discordo “de sua sugestão” para que “falemos abertamente” aos outros sobre “os erros que cometemos”. Em seguida, ele começou a me dizer que “era importante manter uma fachada de solidez e confiança” diante das pessoas da organização. Eu fiquei ouvindo. Quando aquele homem terminou, avaliei:

 

- Você está “liderando a partir” de uma “suposição equivocada”.

- E qual “seria essa suposição?” _ ele quiz saber ansioso.

- “Você está presumindo” que sua equipe “não conhece suas fraquezas”. Confie em mim quando “digo que eles conhecem”. Quando você admite “os erros que comete”, isso não é nem “uma surpresa para eles”; na verdade, é apenas “uma confirmação”. Eles podem olhar um para o outro e dizer: “Veja só! ele sabe. A partir de agora não precisaremos continuar fingindo!”

A primeira etapa para quem “deseja se antecipar aos erros” e “aprender com aqueles já cometidos” é olhar de maneira “realista para si” e “reconhecer suas fraquezas”.

 

2.       Encarar os erros com o preço que se paga pelo progresso pessoal

A psicóloga Joyce Brothers afirma: “A pessoa interessada no sucesso precisa aprender a ver o fracasso como uma parte saudável e inevitável do processo de ascensão.” Nada é perfeito nesta vida – “nem você!”  A melhor coisa a fazer é começar a se acostumar com isso. Se pretende “progredir”, você certamente “cometerá erros”.

 

O jogador Joe Montana, cujo nome está escrito na Galeria da Fama do futebol americano profissional, declarou:

 

Como se não fosse “suficiente estragar tudo em campo”, na “frente de milhões de pessoas” que assistiam ao jogo pela televisão, eu tinha de “rever meus erros todas as segundas feiras” seguintes as partidas – “vez após vez”, em “câmera lenta”, e ainda “ouvindo os comentários dos treinadores”! Até “quando vencíamos”, sempre separávamos um tempo para “rever os erros que cometíamos”. Quando você se vê forçado a ”confrontar os erros com tanta frequência”, acaba aprendendo “a não olhar para eles como algo pessoal”. Não demorei muito “a aprender com os fracassos”, tirar proveito “dos meus erros” e “seguir em frente”. Por que se martirizar por causa disso? “Apenas procure não errar da próxima vez”.

 

3.       Insista em aprender com os seus erros

O escritor e especialista em liderança “Tom Peters” escreveu: Desde a base até os níveis mais elevados da corporação, “não existe nada mais inútil” do que a pessoa que diz, no fim do dia, a respeito do seu trabalho: “Bem, cheguei ao fim do dia sem ter feito absolutamente nada de  errado”.

As pessoas costumam reagir de “duas maneiras” no que diz “respeito ao fracasso”. Enquanto um “hesita por sentir inferior”, a outra “está ocupada cometendo erros”, “aprendendo com eles” e elevando “o próprio nível”. As pessoas podem tanto“fugir dos erros e se magoar” quanto “aprender com eles e se ajudar”. Quem tenta evitar o fracasso a qualquer preço nunca aprende e acaba repetindo os erros o tempo todo.

 

4.       Pergunte a si mesmo e aos outros: “O que estamos deixando de enxergar?”

Os líderes precisam “ser mais perspicazes”. É fácil tomar decisões baseadas naquilo que sabemos, “mas” sempre há coisas “que desconhecemos.” Não é difícil escolher uma direção daquilo que vemos, “mas” e quanto ao que “está fora de nosso campo de visão?” Ler “as entrelinhas” é essencial para exercer “uma boa liderança”, e estamos mais capacitados a fazer isso quando nos perguntamos: “O que estamos deixando de enxergar?” Tal questionamento é valioso por “nos obrigar a parar e pensar”. Muita gente pode ver o que é óbvio. Poucos, porém, “enxergam aquilo” que “não está diante de si”. Fazer “perguntas difíceis” induz as pessoas a “pensar de modo diferente”. “Não questionar” é o mesmo que presumir que um projeto é potencialmente perfeito e que, se for conduzido com cuidado, não acarretará problemas. É algo fora da realidade. A “flexibilidade dos ajustes” ao longo do projeto é fundamentalmente importante “nas entregas de valor” pela liderança.

 

5.       Dê espaço para divergências

Há pouco tempo, vi “um cartaz num escritório de vendas” onde as pessoas “trabalhavam sob forte pressão”. Dizia assim: “Você gosta de viajar? Quer conhecer novos amigos?  Que tal ter tempo livre no futuro? Tudo isso pode ser seu – é só cometer mais um erro”. O medo de errar impede muita gente de alcançar o seu potencial. O medo de “ser sincero com os líderes sobre problemas potenciais” inerentes a determinado curso de ação, “causam prejuízos a muitas equipes”. Os melhores líderes “pedem a opinião das pessoas” que compõem suas equipes.

Quando os líderes não recebem informações das pessoas que lideram, “podem estar no caminho do desastre.”

               

Fonte: John C. Maxwell

Comentários


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Siga
  • LinkedIn Social Icon
bottom of page