top of page

LIDERANÇA – Como Ouvir as Críticas Sem Se Deixar Abater

Já que todos os líderes precisam lidar com a negatividade e com as críticas, independentemente da posição ou da profissão, é importante que eles aprendam a lidar com isso de modo construtivo. O filósofo gero Aristóteles afirmou: “A crítica é algo que você evita com facilidade; é não falar nada, não fazer nada e não ser nada”. Contudo, quem deseja se tornar um líder bem sucedido não tem essa opção. Sendo assim, o que fazer? O processo a seguir, dividido em quatro etapas, ajudou-me a lidar com as críticas, por isso quero apresenta-lo a você.


1. Conheça se bem, seja realista


Aprendi desde cedo que quem está na linha de frente tem sempre a certeza de que será alvo de críticas, não importa quem este líder tenha sido ou que ele tenha realizado. Líderes de grande visibilidade geralmente precisam trabalhar em ambientes complicados, tais como o escritório em que, foi colocado uma placa:

Atenção!

Este departamento não exige participação em programas de condicionamento físico: todo mundo já se exercita demais tendo que correr das responsabilidades, pular de um cargo para outro, passar a perna no chefe, esfaquear os colegas pelas costas, aguentar o peso das reclamações e suar com o salário”.


Assim, já que a condição de líder lhe garante a críticas automáticas, o que devo fazer? Em primeiro lugar, assuma uma imagem realista a seu respeito. Isso ajudará a formar uma base sólida para lidar com as críticas de maneira positiva. Devo admitir que a maioria das críticas que recebi (John C Maxwell) era muito mais a mim do que a posição que ocupava. Descobri que, quando elas dizem alguma coisa pensando em meu bem, parece mesmo é que aquilo que preciso mais ouvir é o que menos desejo escutar. Dessas conversas, aprendi, muito a respeito de mim mesmo, incluindo o seguinte:

  • · Sou impaciente.

  • · Não sou realista quanto ao tempo que as tarefas levam para serem realizadas, e quão difíceis são os processos.

  • · Não gosto de dedicar muito tempo ou esforço às preocupações emocionais.

  • · Eu superestimo a capacidade dos outros. Sou crédulo demais.

  • · Sou muito ´precipitado na hora de delegar responsabilidades.

  • · Quero opções – quero tantas que deixo as pessoas doidas com isso.

  • · Não me importo muito com regras e restrições.

  • · Determino minhas prioridades muito rápido, e espero que as pessoas ajam da mesma maneira.

  • · Resolvo os problemas com muita rapidez e já quero seguir em frente – mesmo quando os outros ainda não estão prontos para me acompanhar.

Obviamente, nada que descobri a meu respeito é muito lisonjeiro. Ainda sim, essas fraquezas são uma realidade. Portanto, a pergunta é: o que devo fazer diante disso?


2. Mude, seja responsável


Quando a crítica de alguém a meu respeito é precisa, tenho a responsabilidade de agir. Isso faz parte da liderança. Se reajo bem ao que dizem os meus críticos, analisando-me de maneira honesta e admitindo minhas fraquezas, então me coloco em condições de começar a efetuar mudanças positivas em minha vida.


Aqui estão as perguntas que faço para determinar o tipo de crítica que estou recebendo:


· Quem me criticou? Críticas adversas de uma pessoa sábia são desejáveis do que a aprovação entusiasmada dos tolos. A fonte geralmente faz a diferença.


· Como esta crítica foi feita? Tento discernir se a pessoa fez um julgamento gratuito ou se me deu um benefício da dúvida e falou com ternura.


· Qual é o motivo da crítica? É resultado de uma mágoa pessoal ou foi para o meu benefício mesmo? Tem gente que sabe magoar os outros. Essas pessoas usam palavras duras ou fazem críticas numa tentativa de se sentirem melhor, e não para ajudar as outras.


Sendo crítica legítima ou não, o que determina como vou receber essas palavras indesejáveis – se vou crescer a partir delas ou se permitirei que elas me façam sofrer – é a minha atitude.


As pessoas só conseguem mudar para melhor quando abrem o coração para aprimoramento pessoal. Por essa razão, quando recebo críticas, tento manter a atitude certa:

  • · Não fico na defensiva.

  • · Procuro os traços da verdade.

  • · Efetuo as mudanças necessárias.

  • · Assumo a atitude mais positiva.


Se faço essas coisas, ganho em aprendizado, em desenvolvimento como líder, e ainda, de quebra, preservo meus relacionamentos.


No próximo artigo, complemento com os itens 3 e 4 abaixo:

3. Aceite-se como é, seja maduro

4. Esqueça a si mesmo, seja firme


Fonte: John C. Maxwell

Commenti


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Siga
  • LinkedIn Social Icon
bottom of page