top of page

“Criando Riqueza com a Cumplicidade”

Eng. Rogerio Cardoso - 12/010/21


Os 9 Elementos da Cumplicidade – Uma Construção Cultural


1. Encarar a “cumplicidade” como uma “escolha da liderança”.

2. Estabelecer uma “visão compartilhada”.

3. Cuidar para que “haja complementariedade” entre pensamentos diversos.

4. “Priorizar o respeito” entre as partes – e “nunca abrir mão disso”.

5. Garantir que haja “admiração mútua”, do tipo que “gera prazer” no “relacionamento”.

6. Providenciar para que “haja atitudes exemplares” de “cumplicidades entre os líderes”, que explicitem a cumplicidade existente para “todos na organização”.

7. “Manter as equipes alinhadas”, com cúmplices potenciais previamente selecionados.

8. Estabelecer “abertura” e “transparência incondicionais” – e “cultivadas permanentemente” por todos.

9. Fazer uma “auditoria” periódica de “cumplicidade” entre as “pessoas” e delas com a “empresa”.


Vivemos MESMO em uma “era” de intensas “mudanças”. Só que a “ficha caiu para poucos” até agora; “muito poucos”, em especial no “Brasil”, entenderam a real dimensão do que vem ocorrendo. “Novidades” com impacto direto em “nosso dia a dia”“inteligência artificial”, “big data”, “nanotecnologia”, “internet das coisas”... – passamos, globalmente, por uma revolução de hábitos e costumes que “não deixa ninguém” passar “incólume”.















Fig. 1 – Liderança com Cumplicidade

Arriscaríamos a dizer que, entre os lideres organizacionais, cujas “conversas nos bastidores” tem como “tópico numero um” a “perda generalizada de referências”, essa reflexão está bem adiantada. Não são poucos os que estão “perdendo o sono” perante a “constatação” que o “objetivo” de “engajar os colaboradores com a organização” é cada vez “mais distante”.


As “transformações do ambiente” somam-se a “um contexto” que já “passava por mudanças” ao longo das “últimas décadas”; a “instabilidade” atinge “níveis inéditos” e amplifica-se a “sensação de insegurança”.

Com a globalização e o avanço das redes sociais e canais digitais, “ampliamos” tanto os “horizontes de relações” que perdemos a “boa ingenuidade”“toda a confiança” agora pode ser um pouco “desconfiada”, ainda mais diante das “mudanças”, da “manipulação fácil” do ambiente virtual, dos efeitos famigerados das “fake News” e toda sorte de novidades que rondam nossa rotina diária.


Evidentemente um “relacionamento” baseado em “confiança” deve “ser pressuposto básico” para a “evolução” dos “indivíduos” e da “companhia” que estes representam. Porém há “algo a buscar” que “é maior” do que a “confiança” e que "não entra no círculo" das "escolas de administração": chama-se “cumplicidade”.


Casos concretos de relacionamentos com este perfil estão por aí para prová-lo, e todos têm em comum resultados extraordinários para seus respectivos negócios:


1. A memorável trinca “Jorge Paulo Leman”“Marcel Telles”“Beto Sicupira” que iniciou sua jornada com o Banco Garantia e é protagonista de um dos “modelos empreendedores” mais vitorioso do “ambiente de negócios mundial” com seu fundo 3G Capital. “São cumplices”.


2. Merece menção a dupla “Bill Gate”“Steve Ballmer”, que construiu, com suas personalidades complementares, a Microsoft. “Cúmplices também”.


3. Ou voltando mais no tempo, você já leu sobre “Bill Hewlett” e “Dave Packard”, que fundaram uma das “maiores empresas de tecnologia da história”, a “HP”, uma das principais percussoras da revolução tecnológica e cujos fundamentos foram baseados em sua liderança visionária? “Cúmplices igualmente”.















Fig. 2 – Liderança com Cumplicidade


Uma analogia matemática explica isto melhor: se o “relacionamento confiante” leva os membros de uma equipe a “somar esforços”, o “relacionamento cúmplice” conduz à “multiplicação das forças” de cada um.


Para finalizar este pequeno resumo do livro, a “cumplicidade” deve caminhar nas “entranhas da empresa” e de modo “tão profundo” que “não tenha” de ser expressa em “declarações” de “missão” ou relatórios formais.

Ela simplesmente “existe” e “norteia todos os passos” de todos na “organização”.


O esforço é grande, mas totalmente compensado, pois o “time cúmplice” automaticamente tem seu “valor reconhecido por seus clientes” – afinal, uma organização “cúmplice” com “sua equipe” é cúmplice “com seus clientes”, que “reconhecerão esse valor” recompensando-a com sua “fidelidade”.


Paradoxalmente, a cumplicidade deve “ser um valor” que “extrapola a necessidade” de um “relacionamento extenso” e “duradouro” entre as partes “como era no passado”. Mais importante que o “tempo dessa relação” é “seu engajamento”, “intensidade” e “profundidade”.


Parafraseando o grande poeta, que essa cumplicidade “seja eterna enquanto dure”!


Fonte: Livro – O que as Escolas de Negócio não Ensinam
José Salibi Neto e Sandro Magldi
Contato – rogeriopc57@gmail.com - Cel 43 98854 3616

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Siga
  • LinkedIn Social Icon
bottom of page